Dylan e Mingus, um garoto branco e um negro, crescem no Brooklyn dos anos 70, rodeados por quadrinhos, super-heróis, competições entre DJs e muros cobertos de grafite. Os dois têm nomes de gênios da música americana e são criados longe das mães por pais ensimesmados - o de Dylan, um artista plástico; o de Mingus, um cantor de soul. Convivendo com a lógica das ruas, onde a integração racial preconizada na década anterior não acontece, Dylan e Mingus estão sempre em campos opostos. Apesar - ou por causa - disso, desenvolvem uma profunda e poderosa amizade. 
Dylan é importunado quase todos os dias por ser um dos poucos garotos brancos do bairro. Mingus, de quem se espera que faça parte do grupo agressor, inscreve sua marca de outra maneira: torna-se um dos mais ousados pichadores do Brooklyn. 
A fortaleza da solidão narra essa improvável amizade, construída numa época em que qualquer atitude - o que você escuta, a quem se dirige no ônibus, o que faz com o dinheiro do lanche - está carregada de um sentido social, político ou racial explosivo. Com estilo literário maduro e sofisticado, permeado de referências ao mundo pop, esta espécie de romance de formação é também um belo e amargo inventário da geração americana que herdou os sonhos e os pesadelos dos anos 60.

 

Autor: Jonathan Lethem

Editora: Companhia das Letras

Ano: 2007

Acabamento: Brochura

Fortaleza da Solidao, A

R$72,00 R$40,00
Fortaleza da Solidao, A R$40,00
Entregas para o CEP:

Meios de envio

Dylan e Mingus, um garoto branco e um negro, crescem no Brooklyn dos anos 70, rodeados por quadrinhos, super-heróis, competições entre DJs e muros cobertos de grafite. Os dois têm nomes de gênios da música americana e são criados longe das mães por pais ensimesmados - o de Dylan, um artista plástico; o de Mingus, um cantor de soul. Convivendo com a lógica das ruas, onde a integração racial preconizada na década anterior não acontece, Dylan e Mingus estão sempre em campos opostos. Apesar - ou por causa - disso, desenvolvem uma profunda e poderosa amizade. 
Dylan é importunado quase todos os dias por ser um dos poucos garotos brancos do bairro. Mingus, de quem se espera que faça parte do grupo agressor, inscreve sua marca de outra maneira: torna-se um dos mais ousados pichadores do Brooklyn. 
A fortaleza da solidão narra essa improvável amizade, construída numa época em que qualquer atitude - o que você escuta, a quem se dirige no ônibus, o que faz com o dinheiro do lanche - está carregada de um sentido social, político ou racial explosivo. Com estilo literário maduro e sofisticado, permeado de referências ao mundo pop, esta espécie de romance de formação é também um belo e amargo inventário da geração americana que herdou os sonhos e os pesadelos dos anos 60.

 

Autor: Jonathan Lethem

Editora: Companhia das Letras

Ano: 2007

Acabamento: Brochura